Aos domingos, 8h15 no

teste teste teste
“Zero lactose”, “Baixo teor” e “Contém lactose”
Saúde

“Zero lactose”, “Baixo teor” e “Contém lactose”

Anvisa determina mudanças nos rótulos de alimentos que contêm lactose

Por Sempre Bem

Os intolerantes à lactose ganharam um bom motivo para comemorar e já podem ficar tranquilos na hora das compras. Tudo isso devido a uma regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que determina algumas alterações nas informações de rótulos de alimentos que contêm lactose.

A regulamentação é decorrente da Lei 13.305 de 2016

Os itens com mais de 100 miligramas (mg) de lactose para cada 100 gramas ou mililitros do produto devem indicar esta informação no rótulo. O limite de 100 mg foi definido com base na experiência de outros países que já adotam essa regulação, como Alemanha e Hungria. O limite tem se mostrado seguro para as pessoas com intolerância à lactose.

Agora o mercado brasileiro de alimentos terá três tipos de rotulagem: "zero lactose", "baixo teor" (para os produtos cujo teor de lactose tenha sido reduzido) e "contém lactose" (nos demais alimentos com a presença desse açúcar).

Os fabricantes têm até 2019 para adequar os rótulos de seus produtos.

Os alimentos da categoria “Contém lactose” devem trazer a informação seguindo as orientações abaixo.

- Ser escrito em caixa alta e em negrito.
- A impressão deve ser em contraste com o fundo da caixa.
- A altura mínima deve ser de 2mm e não pode ser menor que a letra utilizada na lista de ingredientes.
- A declaração deve ficar em um local da embalagem que não seja encoberto, que seja removível pela abertura do lacre ou de difícil visualização, como área de selagem e de torção.


Entenda a intolerância à lactose

Intolerância à lactose é o nome que se dá à incapacidade parcial ou completa de digerir o açúcar existente no leite e seus derivados. Ela ocorre quando o organismo não produz, ou produz em quantidade insuficiente, uma enzima digestiva chamada lactase, que quebra e decompõe a lactose, ou seja, o açúcar do leite.

Como consequência, essa substância chega ao intestino grosso inalterada. Ali, ela se acumula e é fermentada por bactérias que fabricam ácido lático e gases, promovem maior retenção de água e o aparecimento de diarreias e cólicas.

Fontes: www.drauziovarella.com.br | www.brasil.gov.br

Por Sempre Bem

Comentários

Recomendamos

Cantinho da Bruna

Bruna Thedy mostra que uma produção não precisa de muito para fazer bonito.

Conheça