Aos domingos, 8h15 no

teste teste teste
Meningite
Saúde

Meningite

Entenda tudo sobre a doença

Por Sempre Bem

Em 1º de março deste ano, o neto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Arthur, faleceu de meningite meningocócica, com apenas 7 anos. O caso reacendeu o debate em torno da doença, que é altamente contagiosa e letal. Até a tarde de ontem, a Secretaria de Saúde do Estado do Paraná registrou falta de doses da vacina em diversos postos de saúde, ocasionadas pela alta procura. Em Goiás, 18 casos da doença foram confirmados até a semana passada. No Ceará, 24 casos foram registrados e, entre eles, um óbito.

A meningite é uma doença inflamatória do sistema nervoso que pode atingir pessoas de todas as idades, mas é mais comum em crianças, adolescentes e idosos devido às falhas no sistema imunológico. Além de ser muito contagiosa, ela progride rapidamente, podendo levar à morte se não for tratada. Outras consequências incluem sérias lesões cognitivas, auditivas e mentais.

Mas o que causa a meningite?

A meningite se divide em vários tipos e pode ser causada por fatores diversos, sendo os principais: vírus, bactérias e fungos. Quando esses organismos se alojam nas meninges, as membranas que revestem o cérebro, eles causam inflamações que levam a sérias complicações. A meningite meningocócica, tipo que o afetou o neto de Lula, é ocasionada por uma bactéria chamada Neisseria meningitidis, também conhecida como meningococo.

Os vírus e bactérias que causam a meningite circulam no ar e estão em contato com o nosso organismo o tempo todo, portanto, devemos ter atenção com ambientes fechados e abafados, que facilitam a proliferação destes organismos. Em estações chuvosas e frias, a prevenção deve ser reforçada, pois a contaminação ocorre por via respiratória.

E quais são os sintomas?

A meningite apresenta diversos sintomas em graus leves até mais fortes, sendo eles:
• Dor de cabeça;
• Sensibilidade à luz;
• Rigidez na nuca;
• Febre;
• Náuseas;
• Vômito.

Além disso, cada tipo apresenta sintomas específicos. O viral manifesta dores intestinais, musculares e erupções na pele. No tipo bacteriano, manchas vermelhas são comuns. Quando causada por fungos, irritabilidade, confusão mental e coma podem aparecer.

Tratamentos

Os tratamentos da meningite variam de acordo com as causas e tipos. A viral geralmente é mais leve e costuma desaparecer sozinha após algumas semanas, portanto, o tratamento é bastante simples. Repouso, ingestão de água e medicamentos para dores estão entre os métodos mais indicados.

A meningite causada por bactérias requer um tratamento mais forte e complexo. Os medicamentos utilizados são os antibióticos e a cortisona, para reduzir possíveis sequelas. Além disso, eles são ministrados em doses intravenosas.

Já no caso do tipo fúngico, o tratamento é feito com fungicidas que reduzem os efeitos das infecções causadas pelos fungos.

Prevenção

Além dos cuidados básicos, como manter as mãos e objetos pessoais limpos, tomar água regularmente e ter uma alimentação saudável, a prevenção da meningite também pode ser feita com vacinas.


1. Vacina contra Meningite C: indicada para as meningites causadas pelo meningococo do sorogrupo C, principalmente em regiões onde ocorreu um surto da doença. As doses são aplicadas nas crianças aos 3 meses, 5 meses e 1 ano de idade. Também aplicada em adolescentes entre 12 e 13 anos de idade.
2. Vacina contra Meningite B: também conhecida como Bexsero, essa protege contra o meningococo B e devem ser aplicadas três doses em crianças de 3 a 7 meses, com intervalos de dois meses entre cada uma. Quando a criança se encontrar entre 12 e 15 meses de idade, o reforço deve ser aplicado. Até os 10 anos de idade, mais duas doses devem ser dadas, com intervalo de 60 dias entre uma e outra. Adultos também podem tomar, sendo indicadas duas doses, com intervalo de dois meses.
3. Vacina pneumocócica: indicada para prevenção contra a bactéria S. pneumoniae, que além de causar pneumonia, também é responsável pela meningite pneumocócica. Essa vacina é aplicada em apenas uma dose, em adultos e crianças. Passados cinco anos, ela pode ser reforçada caso a pessoa tenha o sistema imunológico fragilizado.
4. Vacina contra Haemophilus influenza B: também indicada para prevenção de algumas gripes, essa vacina protege contra meningite provocada por esse tipo de vírus. Em crianças com menos de 1 ano de idade, deve ser administrada em três doses distintas, com intervalos de dois meses entre cada uma. Para crianças entre 1 e 5 anos de idade, a dose é única.

Quer saber mais? Procure um especialista ou o posto de saúde mais próximo para tirar suas dúvidas e lembre-se: caso sinta um dos sintomas, procure um médico.

Por Sempre Bem

Comentários

Cantinho da Bruna

Bruna Thedy mostra que uma produção não precisa de muito para fazer bonito.

Conheça