fbpx

Aos domingos, 8h15 no

Por Sempre Bem

Coração Acelerou: Quando Se Preocupar com Taquicardia?

Tem muita gente que se assusta quando o coração acelera de forma repentina, é o que chamamos de taquicardia. Daí surge uma dúvida, quando a gente deve realmente se preocupar e ir ao médico? É disso que vamos falar agora com o cardiologista, Felipe Carrhá. Confira!

Tem muita gente que se assusta quando o coração acelera de forma repentina. É o que a gente chama de taquicardia. Daí surge uma dúvida: quando a gente deve realmente se preocupar e ir ao médico? É disso que o Sempre Bem vai falar agora com o cardiologista Felipe Carrhá.

O que é a taquicardia? 

“Quando a contagem de batimentos dentro de um minuto está acima de 100. A gente considera a frequência cardíaca normal entre 50 e 100. Acima de 100 é taquicardia e abaixo de 50 é bradicardia”, explica o cardiologista.

Mas a pessoa sozinha consegue perceber?

Na maioria das vezes não! De acordo com o médico, em alguns casos as pessoas sentem palpitações ou “batedeira” no peito. São formas que o indivíduo tem de perceber que o coração está batendo um pouquinho mais rápido que o normal. 

Veja a matéria (Principais Doenças do Coração: saiba quais são)

Em que situação é normal ter a taquicardia?

  • Quando você tem emoções fortes
  • Medo
  • Susto
  • Exercícios físicos mais vigorosos 

Essas são situações que você tem normalmente uma descarga de adrenalina e, portanto, tem uma ativação do sistema que acelera o batimento cardíaco.

Síndrome do Pânico também pode causar taquicardia?

 “Durante o pânico, o indivíduo tem medo e pânico. Com isso, ele tem uma descarga de adrenalina que eventualmente vai acelerar o coração, vai dar sudorese e vai dar, às vezes, falta de ar e dormência (parestesia nas mãos). Então, isso pode acontecer em vigência de uma de uma Síndrome do Pânico e uma crise de pânico”, ressalta Felipe Carrhá.

Quando o coração acelera sem motivo aparente e sem uma reação que a gente consiga identificar. O que acontece e o que a gente deve fazer?

Quando a pessoa tem o sintoma e sabe que o coração está acelerado, “o ideal é procurar um pronto-socorro para fazer uma avaliação adequada daquela taquicardia, porque existem taquicardias que são benignas e taquicardias que são malignas”, pontua Felipe. 

Confira também (Corrida para um coração forte. Veja benefícios da modalidade)

As taquicardias sinusais, que ocorrem dentro do ritmo normal e que são originadas no sistema condutor normal do coração (nó sinusal) são benignas. Já as taquicardias malignas podem levar a consequências mais sérias. 

É muito comum a pessoa ter taquicardia em vigência de dor, infarto e ataque do coração. Segundo o especialista, a taquicardia vai se manifestar como uma consequência de outra patologia que está acontecendo. Por isso, é importante procurar ajuda médica, fazer um eletrocardiograma e avaliar se a taquicardia é benigna ou não.

Pode acontecer o contrário e o coração bater mais lento? Isso pode ser preocupante?

“Existem situações em que o coração bate de forma mais devagar e que são perfeitamente normais, por exemplo, no sono. Nós baixamos a frequência cardíaca durante o sono sem que isso seja patológico. Outra situação comum são as pessoas que têm um condicionamento físico bom, que também frequência cardíaca mais baixa”, aborda o cardiologista.

Existem algumas substâncias que a gente ingere e que podem gerar uma taquicardia?

Segundo o médico, a taquicardia pode acontecer em vigência de substâncias estimulantes excessivas, por exemplo, café, energéticos e termogênicos, e bebida alcoólica quando consumida em excesso.

Leia o artigo (Conheça 10 alimentos amigos do coração)

Ou seja, essas substâncias devem ser consumidas de uma forma moderada e de preferência com acompanhamento de um profissional da saúde.

Além do coração acelerado, quais são os outros sintomas que podem vir junto com a taquicardia?

  • Falta de ar
  • Dor no peito
  • Formigamento nas mãos
  • Tontura
  • Sensação de desmaio
  • Turvação visual
  • Suor frio

Eles são sintomas de alerta que devem fazer a pessoa procurar imediatamente ajuda médica. 

Uma taquicardia pode levar à morte?

“Pode levar à morte especialmente se você já tiver uma condição e uma reserva do coração diminuído por algum problema prévio. Então, pacientes com insuficiência cardíaca ou com obstruções nas artérias do coração não toleram a taquicardia da mesma forma que uma pessoa saudável”, salienta Felipe.

Outra possibilidade são as taquicardias que são naturalmente malignas e que podem levar à morte por falta de oxigenação adequada. A taquicardia ventricular, por exemplo, é muito comum após um infarto do coração e pode levar ao óbito, porque o coração não bombeia o sangue adequadamente. Essa é uma taquicardia maligna, na maior parte das vezes, e precisa de atendimento médico urgente.

Conteúdos relacionados

Matéria originalmente veiculada no programa de 8 de dezembro de 2019.