fbpx

Aos domingos, 8h15 no

Por Sempre Bem

Por Que A Pele do Diabético É Diferente?

O Diabetes pode gerar algumas alterações no corpo, inclusive na pele. Saiba quais mudanças ocorrem e quais os cuidados necessários. Confira tudo na matéria!

Quando o assunto é diabetes, é importante ter cuidados especiais com a pele. Isso ocorre porque as pessoas com essa doença estão mais propensas a sofrer com problemas na derme. Por isso, o Sempre Bem vai falar mais sobre esse assunto agora.

Alterações na pele

Dentre as inúmeras consequências do diabetes estão as alterações na pele com “tendência maior ao ressecamento. O excesso de glicose na corrente sanguínea faz com que a pele ceda água para outras estruturas do corpo. Além disso, o organismo tenta eliminar esse excesso de açúcar presente na corrente sanguínea por meio de uma diurese aumentada”, explica a dermatologista Lívia Facundo.

O paciente diabético costuma ter diversas micções ao longo do dia, levando à eliminação de líquidos e consequentemente o organismo desidrata e a pele tende a ficar mais ressecada.

Importância da hidratação

De acordo com a enfermeira Sherida Paz, ressecamento, rachaduras e fissuras são uma porta de entrada para micro-organismos, que podem favorecer infecções. É importante que as pessoas hidratem o corpo por dentro, bebendo bastante água. Já a pele precisa de hidratação com hidratante.

Leia também o artigo (Diabetes: dieta é essencial para evitar complicações)

Complicações do diabetes

Aos 25 anos, o representante comercial Vladimir Bezerra descobriu que era diabético e sentiu na pele os efeitos da doença desde o ressecamento na parte do cotovelo, joelho, cicatrização até as unhas. 

Cuidados com os pés

“O pé acaba sendo uma região um pouco esquecida. A gente precisa olhar diariamente para eles, avaliá-los, lavar, secar bem, passar hidratante e cortar as unhas retas, porque as unhas redondas podem provocar alterações e lesões, que acabam infectando. E para quem tem diabetes, isso pode ser uma complicação bem grave”, ressalta a enfermeira.

Cicatrização

Além das possíveis complicações e lesões que podem surgir nos pés, “o paciente diabético possui complicações cardiovasculares e essas alterações na circulação sanguínea comprometem o processo de cicatrização”, completa Lívia.

Veja a reportagem (Dossiê da Diabetes: o que é importante saber sobre ela)

Vladimir contou que sofreu um acidente de moto no qual levou 30 pontos na perna. Esse ferimento demorou para cicatrizar, assim como precisou de cuidados especiais, devido o diabetes, porque a pele não regenerou completamente e ficou fina. “Em relação ao ressecamento e flacidez da pele, utilizei cremes específicos para diabéticos”, aborda.

Cremes hidratantes para diabéticos

Conforme Lívia Facundo, no caso de hidratantes à base de ureia, é importante que tenha no máximo 10% de concentração desse componente. Caso contrário, a pele pode apresentar descamações, irritações e piora do ressecamento da pele.

Surgimento de dermatites, micoses e infecções

As alterações no sistema de defesa da pele aumentam as chances de desenvolver dermatites, micoses e infecções, que “têm preferências por áreas quentes e úmidas, como dobras, axilas, virilhas, entre os dedos das mãos e pés, que são áreas que têm uma tendência maior de acumular umidade e o surgimento de infecções, como a candidíase”, ressalta Lívia Facundo.

Rotina de cuidados com a pele

É um desafio para o diabético manter uma rotina de cuidados com a pele, porque precisa controlar bem a glicemia. Para Sherida, cuidar da derme e ter um acompanhamento vale a pena para evitar complicações e viver com qualidade de vida.

Conteúdos relacionados

Matéria originalmente veiculada no programa de 17 de novembro de 2019.