fbpx

Aos domingos, 8h15 no

Por Sempre Bem

Setembro Verde - À Espera de um Transplante

Neste mês, a gente celebra a campanha Setembro Verde, que enfatiza a importância da doação de órgãos. O Sempre Bem trouxe uma história linda de um transplantado. Confira!

Transplante de órgãos

O aposentado Wilter Ibiapina fala sobre sua história de doação de órgãos. Ele conta que descobriu que precisava de um transplante quando fez um check-up, que detectou um vírus da hepatite C. Esse vírus evoluiu para uma cirrose hepática descompensada, e a única alternativa para sobreviver foi um transplante de fígado.

“Nesse período, muitos colegas meus que estavam naquele momento igual a mim, na fila da agonia, morreram”, comenta o aposentado. Isso acontece porque muitas coisas que precisam ser compatíveis, como o grupo sanguíneo e peso de 20% a mais ou a menos do paciente para o potencial doador.

Wilter revela que foi chamado três vezes para fazer o transplante. Nas duas primeiras, não deu certo devido à incompatibilidade com o doador. Só na terceira, que ele foi contemplado com a doação de órgãos. “Sou transplantado há 16 anos”, afirma.

Essa jornada representa muito para Wilter, pois ele recebeu uma nova chance para viver, pode ver o crescimento dos seus netos e a formatura dos seus filhos.

“Existe mais de 30 mil pacientes no aguardo para fazer um transplante. Não tenha medo, pois dizendo sim para a doação de órgãos, estará salvando a vida de vários pacientes que estão na fila”, revela o aposentado.

Como ser doador de órgãos

“Hoje, no Brasil, para ser doador de órgãos não precisa deixar nada por escrito. Basta comunicar à sua família seu desejo. Um doador de órgãos pode salvar e dar qualidade de vida para várias pessoas”, ressalta Eliana Barbosa, coordenadora da Central de Transplantes – CE.

Para a coordenadora, se você se encontra com algum familiar em algum hospital e que deseja fazer a doação, o importante é comunicar ao hospital, que deve notificar à Comissão Intrahospitalar do seu hospital de transplante ou a Central Estadual. Ambas irão desencadear todo o processo de doação do seu ente querido.

Quem recebe os órgãos

Não é o transplantador que diz para quem vai esse órgão, não é a família que decide para quem vai, e sim um programa do Ministério da Saúde que é gerenciado pela Central de Transplante Estadual e faz a seleção dos receptores para aqueles órgãos que foram doados.

Além de salvar vidas e oferecer qualidade de vida para muitas pessoas, a doação de órgãos enaltece esse sentimento de solidariedade, amor ao próximo e cidadania.

Matéria originalmente veiculada no programa de 29 de setembro de 2019.