fbpx

Aos domingos, 8h15 no

Por Sempre Bem

Açúcar x Depressão: Saiba os Riscos

De acordo com a OMS, a depressão atinge hoje mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo e pode se tornar a doença mais incapacitante até 2020. A Bruna Thedy conversou com o psiquiatra Rodrigo Costa sobre o assunto, e também pra falar sobre como a alimentação se relaciona com a doença.

Açúcar x Depressão: Saiba os Riscos

Há quem diga que um doce melhora o dia de qualquer pessoa. De fato, estudos indicam que um o açúcar ativa os neurotransmissores responsáveis pela sensação de felicidade. O problema é que o excesso de doce pode causar transtornos para a saúde, incluindo a depressão.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão atinge hoje mais de 300 milhões de pessoas em todo o mundo e pode se tornar a doença mais incapacitante até 2020.

Segundo o psiquiatra Rodrigo Costa, “a depressão é uma doença que pode se tornar crônica. Afeta grande parte da população, trazendo sofrimento e comprometimento da funcionalidade, além de ser uma das principais causas de dias perdidos na vida das pessoas”.

Sintomas e causas da depressão

A depressão pode ser caracterizada por tristeza, falta de prazer, insônia e múltiplos sintomas. Pacientes com estresse crônico e pacientes que foram abusados sexualmente na infância são mais propensos a desenvolver depressão na vida adulta.

Tristeza x Depressão

Algumas pessoas confundem tristeza com depressão. “A tristeza é normal, todo mundo passa. No entanto, se essa tristeza vier acompanhada de insônia ou sono excessivo, dificuldade para se concentrar e ideação suicida; ocorrendo pelo menos em um período de duas semanas, pode se caracterizar como uma depressão”, explica o especialista.

Açúcar x Depressão

Existe uma relação entre o consumo de alimentos com açúcar e a depressão. O alto teor de substâncias contendo açúcares causam no corpo o aumento de substâncias pró-inflamatórias. Se o paciente consome ingredientes ricos em açúcar e alimentos gordurosos, facilita o aumento das substâncias pró-inflamatórias, acarretando em uma maior chance de ele ter depressão.

Quem está ansioso também pode ter depressão, pois quer comer doce para se acalmar e na verdade pode ficar ainda mais ansioso. “O chocolate pode aumentar as endorfinas no corpo. Essa substância causa prazer e pode aliviar uma certa angústia que esteja sentindo, mas não é o tratamento certo para isso”, afirma Rodrigo Costa.

Tratamento

A melhor forma de ajudar pessoas que estão passando por uma situação de depressão é identificar os sintomas e procurar ajuda. A depressão não é fraqueza, não é frescura, bobagem, não é um drama excessivo… ela é um problema de saúde.

Como ainda é um tabu e há um certo tipo de preconceito, muita gente tem vergonha de assumir que tem depressão ou que está fazendo um tratamento. Para Rodrigo, essa é uma das causas que faz com que haja um adiamento do tratamento desses pacientes.

“Pessoas que se identificam com algum dos sintomas citados devem procurar ajuda de um médico, psiquiatra, psicólogo ou uma equipe preparada que vai acolher, ouvir e fazer o que é necessário para a recuperação do paciente para que ele volte a sua funcionalidade”, cita o psiquiatra.

Quando for necessário e dependendo do tipo de depressão, que pode se manifestar de forma leve, moderada ou grave; as medicações podem ser indicadas assim como a terapia, para que o paciente seja ouvido e possa ressignificar a sua forma de ver a vida”, conta o especialista.

Setembro Amarelo

Estamos no mês da campanha brasileira de prevenção ao suicídio: o Setembro Amarelo. É essencial sempre procurar ajuda médica e saber identificar certos sinais do comportamento. Falar é sempre a melhor solução, não se esqueça disso e deixe o preconceito bem longe.

Matéria originalmente veiculada no programa de 8 de setembro de 2019.