fbpx

Aos domingos, 8h15 no

Por Sempre Bem

Dia Dos Pais por Bráulio Bessa

Tem avô que assume o papel de pai e ganha amor em dobro. O poeta Bráulio Bessa falou sobre a importância do avô e do pai na sua vida em uma entrevista emocionante. Assista!

Depoimento do poeta Bráulio Bessa

Tive a sorte, mesmo que de forma contraditória, de ter tido dois pais. Meus pais se divorciaram quando eu tinha oito anos de idade. Meu pai foi embora para São Paulo, eu fiquei no Alto Santo e ganhei meu outro pai que foi o vovô Dedé Sapateiro.

O que é muito bonito disso tudo é que, apesar de morar na casa do meu avô e ele ter assumido toda essa figura paterna dentro da minha vida, nunca houve um rompimento com o meu pai, pois a gente sempre se falou.

Minha mãe sempre deixou muito claro que eu tinha meu pai e meu avô. Eu nunca chamei meu avô de pai, mas o sentimento era o mesmo.

Ausência...

Escutei muitas vezes alguém falando assim para a minha mãe: ”nos momentos em que os meninos mais precisavam, o pai deles não estava”. E acontece exatamente o contrário.

Quando eu tinha entre 8 e 10 anos de idade, não precisei muito do meu pai, pois estava preocupado em brincar, jogar bola, tomar banho no rio, pescar, soltar pipa… eu tinha meu avô e a liberdade de viver no interior.

O momento em que eu mais precisei do meu pai foi agora, com 30 e poucos anos, e hoje, ele é meu braço direito. Não foi fácil!

“Perdoar é uma força, não um poder”

Eu tinha oito anos de idade e às vezes me perguntava lá em casa: “por que meu pai não está aqui?”. Mas isso não me torturava, pois eu entendia que era por um motivo maior e que tudo tem um lado bom.

Esse distanciamento, pelo menos temporário, com meu pai Evaristo causou uma aproximação muito grande com meu avô. Mesmo que de forma contraditória, ter perdido um pai fez com que eu ganhasse dois. E tenho esses dois pais comigo até hoje. Dois, não, três, porque tem o pai lá de cima.

O perdão, a empatia e o amor são a base de tudo e de toda relação boa com o ser humano, não só com o pai. Quando você tem essa força, porque perdoar é uma força e não um poder, você vive muito mais tranquilo com todo mundo.

Matéria originalmente veiculada no programa de 11 de agosto de 2019.