De segunda a sexta, 8h30 na

teste teste teste
Gagueira
Bem-Estar

Gagueira

Causas e tratamento

Por Sempre Bem

A gagueira é um problema que atinge pessoas no mundo inteiro. Cerca de 5% da população mundial desenvolve esse distúrbio durante a infância, com 1% levando-o para a vida adulta. Ou seja, a gagueira surge ainda nos primeiros anos de vida e, dependendo de certas condições, pode continuar ou não no indivíduo. No Brasil, aproximadamente 2 milhões de pessoas apresentam a gagueira em algum nível. Antigamente, pensava-se que a origem da gagueira era psicológica e, por falta de informações, ela foi por muito tempo motivo de constrangimento e brincadeiras de mau gosto. Atualmente, as pessoas que sofrem com ela podem obter um diagnóstico adequado e um tratamento que amenize ou até cure os efeitos desse distúrbio.

O que causa?

Considerada um problema físico, a gagueira é caracterizada pela dificuldade de executar e finalizar sons, fonemas, sílabas e palavras, o que acarreta a complicação na formação de frases e, consequentemente, na comunicação como um todo. Segundo especialistas, a gagueira pode ter origem em diversos fatores, como a genética ou problemas prévios que afetem a fala, como o AVC ou outras lesões no crânio. Outros contextos também devem ser levados em conta. Por exemplo, quando a criança vive em um contexto em que as pessoas falam muito alto, muito rápido ou de forma muito complexa, há chances da sua fala apresentar sinais de gagueira.

E quando os sinais surgem?

É importante que os pais se atentem à comunicação dos filhos depois da primeira fala. Se desde o início a criança apresentar sintomas da gagueira e persistir com eles após oito semanas, é importante que ela seja levada ao pediatra. Os sinais são facilmente reconhecíveis, como a dificuldade para falar e para formar frases inteiras. Se o problema cresce de forma gradual e causa estresse e ansiedade, é provável que seja gagueira. Durante as consultas, os médicos avaliarão a intensidade e frequência da gagueira, os possíveis gatilhos que pioram o problema, as complicações no período pré-parto e o histórico familiar. Uma vez diagnosticada, a criança pode iniciar o tratamento.

Quais são os tratamentos?

A terapia de fluência tem como objetivo otimizar a conexão entre diferentes sons emitidos pelo gago, melhorando sua habilidade de comunicação e deixando a fala mais espontânea. Neste procedimento, o terapeuta encarregado ensina técnicas para o paciente, para a família e, se possível, para os funcionários da escola em que a criança estuda. Na terapia de modificação da gagueira, o gago aprende a falar de forma mais lenta, a regular a respiração e a melhorar a pronúncia de diferentes sílabas e palavras. Nessa terapia, o paciente tem os efeitos da gagueira minimizados e diminui a ansiedade para falar em situações de estresse. Os grupos de apoio também são ótimas opções para os gagos dialogarem e compartilharem suas experiências com pessoas que sofrem do mesmo problema, diminuindo assim os efeitos psicológicos que a gagueira pode causar, como ansiedade, depressão e falta de autoestima. Quer saber mais sobre o assunto? Confira essa matéria que o Programa Sempre Bem exibiu sobre o tema.

Por Sempre Bem

Comentários

Cantinho da Fê

Fernanda Queiroga mostra que uma produção não precisa de muito para fazer bonito.

Conheça